Ah, globalização, sua linda! Trouxeste ao Brasil coisas que invadiram nossos corações, como as artes marciais e o mangá!

Muita gente no ocidente gosta muito de manga e anime, os famosos quadrinhos e animações japoneses, respectivamente. Para quem é mais inclinado a amar a China e o mandarim, há versões locais de manga, mànhuà. Embora muitíssimo menos conhecidos, eles existem e esperam ser devorados por seus aficionados. Algumas pessoas vão mais afundo que meramente ler manga ou praticar artes marciais e efetivamente se dedicam a aprender japonês e / ou chinês mandarim.

É preciso deixar claro que o autor deste texto não é aficionado nem especialista ao mundo manga.

No artigo de hoje exporemos um pouco dos diferentes níveis de língua (variação linguística, para quem gosta de nomenclaturas) do japonês e do chinês a partir dos exemplos de manga que vimos acima. Diante da complexidade da variação da língua principalmente em níveis hierárquicos, qual é a forma correta para usar em cada situação? Podemos falar com qualquer pessoa da mesma forma que vemos no mangá? Hmmm. Acho que não.

No tocante à língua japonesa, este artigo tratará de modo genérico sobre sua modalidade informal e um pouco mais detalhadamente, sobre como dizer “você” em japonês. Quanto ao chinês mandarim, tratar-se-á de algumas palavras que deixam pedidos e sugestões mais polidos.

Comecemos pelo japonês, que apresenta variação linguística hierárquica muito intricada. O manga em geral trata de relações de pessoas próximas entre si, por tanto utiliza forma mais coloquial do 日本語 nihongo[1].

Nomura-san, se cuida :’( :’( <3

 

No exemplo retirado do manga Jesus de 1993, no início da página[2], vemos uma moça que aparentemente aflita, fala consigo mesma:

お願い…野代さん…無事でいて…

O-negai…Noshiro-san…buji de ite…

Vocabulário:

お願い o-negai: por favor;

野代 Noshiro: nome próprio de pessoa (sobrenome);

さん san: senhor, senhora ([indispensável, frequentemente intraduzível] sufixo de polidez usado para referir-se a alguém com quem se fala ou de quem se fala);

無事 buji: segurança, paz;

[4] “Língua japonesa” em japonês.

[3] Os mangás japoneses são lidos da direita para a esquerda, de cima para baixo – como os livros japoneses.

de: (intraduzível) auxiliar verbal (nomenclatura gramatical japonesa: 助詞 jôshi) que indica o modo como algo é feito ou acontece; auxiliar verbal modal;

いて ite: (neste caso) esteja; [1]

Assim, o trecho pode ser traduzido em português como:

“Por favor…Noshiro…esteja bem”.

Notemos que o uso de reticências ao invés da vírgula exprime que as palavras foram ditas de forma vagarosa, muito provavelmente de modo a expressar estado de extrema preocupação ou tristeza.

A moça deve gostar desse tal de Noshiro! Por que não o chamou de anata? Como se diz “você” em japonês?

Em japonês, evita-se chamar as pessoas pelo que seriam equivalentes dos pronomes pessoais “você” e “tu”, justamente pela ambiguidade intrínseca que estes têm. Estes são reservados para situações peculiares com muito provável envolvimento emocional, (frequentemente) mútuo – não necessariamente envolvimento romântico, mas intimidade em termos de amizade e afins.

Já fomos introduzidos a este assunto no artigo sobre a palavra 未練 miren link para artigo sobre palavra miren. Passemos a uma rápida introdução a alguns dos equivalentes em japonês dos pronomes você / tu.

Não é nosso objetivo divagar sobre quando usar as diferentes formas de “você” na língua japonesa, até porque para os próprios japoneses este é um tópico complexo. No fim das contas, para evitar erros e situações embaraçosas, recomenda-se chamar a pessoa com quem se está falando por “nome + san”. Ex: Benjamin-san[2].

 Tomaremos como exemplo uma pesquisa de corpus[3] com as cinco formas mais comuns de “você”, usadas de acordo com gênero e, em seguida, discutiremos brevemente sobre as implicações de usar cada uma destas.

manga-02

Manga estilo shônen, Jesus Lesson 25, Shôgakukan 1993.

 De acordo com Wang Xin[4], o Instituto Nacional Japonês de Língua Japonesa e Linguística 国立国語研究所 Kokuritsu Kokugo Kenkyûsho[5] realizou em 1957 uma pesquisa sobre o uso de pronomes pessoais entre homens e mulheres. Para se referir ao interlocutor (“você” / “tu”; ou seja, com quem se está falando; pronome pessoal do caso reto, segunda pessoa do singular), os resultados foram os seguintes:

[5] いて ite pode ser dividido e compreendido como a junção de iru (significado próximo ao verbo estar, palavra flexionável) com o sufixo te (não flexionável), que é necessário quando a palavra seguinte é flexional também. No presente caso, a palavra que se usaria seria 下さい kudasai (usada para tornar pedidos ou ordens menos ásperos, algumas vezes traduzida como “por favor”) e que foi omitida devido ao caráter coloquial da situação.

[6] http://oshiete.goo.ne.jp/qa/5865905.html

[7] De acordo com http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502000000200005, “A Lingüística de Corpus ocupa-se da coleta e exploração de corpora, ou conjuntos de dados lingüísticos textuais que foram coletados criteriosamente com o propósito de servirem para a pesquisa de uma língua ou variedade linguística”.

[8] WANG, X. Jīngxiū Rìběnyǔ Wénfǎ, pp 18 – 19. Beijing: Wáiwén Chūbǎnshè, 1998.

[9] https://www.ninjal.ac.jp/

 

Pronome utilizado e número de vezes Divisão dos entrevistados em gênero
あなた anata 44 homens; 71 mulheres
あんた anta 51 homens; 56 mulheres
きみ kimi 29 homens; 1 mulher
お前 omae 11 homens; 0 mulheres
お宅 otaku 7 homens; 3 mulheres

 

  • あなた anata: talvez a forma mais comum de se dizer “você” ou “tu”. É, simultaneamente, como uma mulher chama o marido ou algum (a) outra pessoa a quem seja aficionada: “querido”. Veja acima que de acordo com a pesquisa de corpus, esta forma é mais comum entre mulheres do que entre homens. Portanto, o que se recomenda é que assim que se saiba o nome do interlocutor, que o chame pelo nome + san.
  • あんた anta: forma familiar de anata. Frequentemente usado (na segunda pessoa) para referir-se ao namorado, familiares (de menor idade), amigos íntimos, entre outros. Carrega uma ideia de amorosidade e meiguice.
  • きみ kimi: termo coloquial e familiar masculino. Frequentemente usado (na segunda pessoa) para referir-se à namorada ou amigos.
  • お前 omae: termo coloquial masculino, possivelmente pejorativo. Muito usado para amigos.
  • お宅 otaku: termo honorífico, pertencente à linguagem formal japonesa (敬語 keigo). Usado para alguém de status hierárquico alto com quem não se tem proximidade – depois de se saber o nome da pessoa, recomenda-se chama-la de “nome + san”, “nome + sama”, “nome + dono”, ou o que for apropriado.

Tendo analisado as cinco maneiras mais comuns (e diretas) de se dizer “você” ou “tu” em japonês, podemos chegar a algumas conclusões sobre o trecho do mangá que estamos analisando. Se a moça tivesse chamado a pessoa em questão (Nomura-san) de anata, haveria implicação de que há algum envolvimento sentimental-romântico entre eles. Chamando-o de Nomura-san, ela é o mais neutra possível. Por mais que possamos supor que devido ao modo como ela disse “Por favor, Noshiro, esteja bem” ele deve ter alguma significância para ela, a maneira neutra como se referiu a ele indica que ainda há algo mal resolvido entre eles.

 

É assim que se trata uma donzela, Shixiong? :S

 

No exemplo do manga chinês Niǎo Lóng Yuàn de 2004, no segundo quadrinho[1], vemos Shīxiōng (colega discípulo mais velho de um mestre em comum) tentando ser cavalheiro com uma moça:

[10] Os mangás chineses (da China continental), tais quais a maioria dos livros publicados na República Popular da China (China continental), são lidos à maneira ocidental. Da esquerda para a direita, de cima para baixo.

 

阿心姑娘!坐吧!

Āxīn gūniang! Zuò ba!

Vocabulário:

阿心 Āxīn: nome próprio de pessoa;

姑娘gūniang: menina (aqui usado como forma / pronome de tratamento, parecido com “Nomura-san” ou “Nomura-sensei”[11]);

zuò: sentar-se;

ba: (intraduzível) (entre outros significados) partícula / auxiliar verbal usada no fim das sentenças para indicar sugestão, pedido, concordância, possibilidade, especulação, incerteza ou ordem (nomenclatura chinesa: 助词 zhùcí)[12].

Podemos traduzir este trecho como:

Menina Axin! Sente-se!

No próximo quadrinho, o coleguinha sugere que Shixiong seja mais polido com a moça. Ao puxar a cadeira para ela, ele diz:

阿心姑娘!请坐!

Āxīn gūniang! Qǐng zuò!

A única palavra que nos é nova agora é 请 qǐng. Ao contrário de 吧 ba, é usado antes do verbo a ser modificado e expressa respeito e intenção de que o interlocutor faça algo (a ação ou estado do verbo modificado) (entre outros siginificados)[13].

Assim, traduzimos esta última frase como:

Menina Axin! Por favor, sente-se!

[11] Os pronomes de tratamento japoneses “san” e “sensei” foram utilizados apenas a título de exemplo. O equivalente japonês mais próximo a “gūniang”é “chan”.

[12] CHENG, M. H. Bǐhuà Bǐshùn Bùshǒu Duōyīn Duōyì Zìdiǎn pp 12. Beijing: Shāngwù Yìnshūguǎn Guójì Yǒuxián Gōngsī, 2009.

[13] CHENG, M. H. Bǐhuà Bǐshùn Bùshǒu Duōyīn Duōyì Zìdiǎn pp 582. Beijing: Shāngwù Yìnshūguǎn Guójì Yǒuxián Gōngsī, 2009

 

Analisando o uso e significado de 吧 ba e请 qǐng, é possível afirmar que o segundo é mais polido que o primeiro. À vista disso, o convite de Shixiong para que Axin se sentasse à mesa com ele se tornou mais cavalheiresco.

 

Conclusão

Aprendemos com o presente artigo que não podemos falar japonês e / ou chinês como vemos nos mangás, visto que cada situação da vida requer que utilizemos um nível de formalidade adequado. Português não é assim também? Isto é parecido com as roupas que vestimos. Por mais que gostemos de usar shorts e camiseta, não fica bonito ir num casamento chique assim, né? Do mesmo modo, fica meio destoante se uma menina usar um vestido de gala prateado para brincar com seus amigos na rua – que fique claro, o autor deste artigo apoia que cada um se vista como quiser, de acordo com o que cada situação pede.

 

Exercícios – desafio!

*Sinta-se livre para fazer só em mandarim, ou só em japonês – mas esteja ciente que na Escola Marcial Família Long ao fazer aula de um idioma, você automaticamente tem direito ao fazer o outro! *

Passe as seguintes frases do coloquial para o polido, não se esquecendo de:

  1. a) conjugar corretamente o verbo japonês;
  2. b) dar o equivalente em chinês tradicional para as letras em chinês simplificado.

Exemplo:

1-) Ler um livro / estudar

(Coloquial) 本を読む hon o yomu………………….(polido) 本を読んで下さい。hon o yonde kudasai.

(Coloquial) 读书吧 dúshū………………………..(polido) 请读书。Qǐng dúshū.

請讀書

Parece impossível, mas não é! Imprima esta folha com os exercícios e venha à Escola Marcial Família Long resolvê-los com o professor Benjamin numa aula-teste grátis (horário a combinar)!

Aprenda a pronúncia, a conversar, a escrever, a ler e de quebra aprenda sobre cultura chinesa e japonesa. Você sabia que a China e o Japão são, respectivamente, a segunda e a terceira maiores economias do mundo? Hoje é o seu dia de começar sua caminhada rumo a ser poliglota; seu currículo agradecerá.  Quem conseguiu, um dia tentou.

Aproveite e tome um chá conosco :3

2- ) Beber suco

(Coloquial) ジュースを飲む juusu o nomu ………………….(polido)

(Coloquial) 喝果汁 hé guǒzhī ……………………….(polido)

 

3-) Assistir um filme

(Coloquial) 映画を見る eiga o miru ………………….(polido)

(Coloquial) 看电影 kàn diànyǐng ………………………(polido)

 

Imagem do cabeçalho: 

Manga chinês (mandarim: 漫画 mànhuà), Niǎo Lóng Yuàn volume 4, Beifang Funu Ertong Chubanshe et al., 2004. [1]

Shares
Share This